Donald Dória e a política dos factoides

Deu muito o que falar nas mídias sociais o recente vídeo difundido pela prefeitura de São Paulo, “Road Show”, colocando literalmente a cidade à venda para eventuais investidores interessados na privatização dos mais diversos equipamentos e serviços. Ao discutir sobre ele, comentar, escrever, estamos fazendo exatamente aquilo para o que essa peça de propaganda foi criada. Mas vamos lá, acho que ainda assim vale um pequeno comentário crítico.

Read More

Golpismo barato não combina com lucro

A redemocratização brasileira passa por um momento delicado: quando os habitués da republica das bananas que o país já foi começam a exagerar na balbúrdia e no golpismo, a tal ponto de gerar instabilidade econômica e política a níveis mais preocupantes. Até mesmo para o capital.

Read More

A VOLTA DO CONSERVADORISMO ESTÚPIDO, OU COMO FAZER POLÍTICA NA BASE DO LATIDO. Uma análise da conjuntura PARTE 1

Os acontecimentos recentes exigem uma análise cuidadosa. Como se trata de um processo complexo, e confuso, é bom separar um pouco as coisas. Como disse um histórico militante da esquerda, Alipio Freire, nunca foi tão importante defender o mandato de Dilma, mas nunca foi tão difícil defender algumas de suas políticas. Ele tem toda razão, a polarização política promovida pelo PSDB – e eles estão certos, é seu papel fazer a disputa política que lhes cabe, aproveitando-se das fragilidades do governo – leva a uma situação desconfortável: se defendermos o mandato democrático, se nos opusermos ao caráter reacionário das manifestações, somos imediatamente tachados de “pró-dilmistas”, “pró-petistas” ou até de “petralhas”. Mas são coisas bem diferentes. Atacar a reação conservadora em nome de um processo de democratização e defender a vitória de um governo mais à esquerda do que o odelo tucano é uma coisa, que não obriga a dar um cheque em branco ao governo e muito menos a algumas de suas práticas. Porém, ao atacá-lo, deve-se situar com cuidado os avanços e os problemas, sem deixar cair na versão simplista e burra que o tucanato e a ídia querem construir, de que “é tudo corrupto e ladrão” ou que vivemos uma crise sem precendetes. Nem um, nem outro. Começo esta análise de conjuntura com um primeiro texto, atacando a reação conservadora. Continua o mais brevemente possível com a segunda parte, intitulada “O lulismo bateu no teto”.

Read More

Uma constituinte para a reforma política?

A fragilização a que chegou o STF no julgamento do mensalão e a generalização de um modus operandi político que já não parece ter espaço para a ética e os ideais de um país melhor, a não realização da reforma política pelo PT desde a eleição de Lula, não nos levariam a crer que talvez fosse hora de uma constituinte específica para esse fim? É o que propõe meu amigo Valter Caldana, arquiteto e urbanista e diretor da FAU Mackenzie. Reproduzo seu texto, que serve como complemento à minha última postagem.

do blog "Debatendo" - clique aqui

Read More

sobre o teatro do julgamento do mensalão.

Demorei para falar do assunto neste blog, pois não havia clima para tal. Mas, atendendo a pedidos de leitores do blog, após a decisão do STF de inocentar os réus do mensalão por formação de quadrilha, e antes que se repanda demasiadamente a versão que começa a aparecer de que foi tudo uma "manipulação de Dilma e seus petralhas", vale fazer algumas observações.

Read More

uma revolução geracional

uma revolução geracional

(atenção: postagem longa!)

Acontece no Brasil uma mudança até agora sutil, que se esconde em uma série de fenômenos, aparentemente com motivações diferentes. Escancarou-se nas manifestações de junho, e continua ressurgindo, em diversos acontecimentos. O que caracteriza e une todos esses fenômenos é a mudança geracional. Ela está está pondo de cabeça para baixo os padrões pelos quais se organiza a nossa sociedade. 

 

Foto: "seja jovem e cale-se" - Cartaz de maio de 68, Paris - Fonte http://jpdubs.hautetfort.com/archive/2007/05/04/ne-liquidons-pas-l-heritage-graphique-de-mai-68.html

Read More